1. Arrancar o esmalte com os dentes.
Sabe aquela tentação de arrancar o esmalte com as mãos ou os dentes quando não tem nenhum removedor por perto? Fique atenta, pois esse hábito pode traumatizar a matriz das unhas e enfraquecê-las.
2. Não passar base antes do esmalte.
A base funciona como uma proteção para as unhas, evitando que os componentes químicos do esmalte provoquem agressões ou enfraquecimento. Procure bases que levem na fórmula óleos de silicone ou vegetais.
3. Usar esmaltes de qualidade duvidosa.
Algumas substâncias químicas encontradas em esmaltes, como o formaldeído, o tolueno e o benzeno, podem agredir as unhas. Opte por esmaltes com substâncias fortalecedoras ou que não contenham tais ingredientes tóxicos.
4. Roer as unhas.
Vinculada à ansiedade e ao perfeccionismo, a mania de roer as unhas pode causar o enfraquecimento e ainda transmitir doenças ao levar para a boca sujeiras escondidas no local.
5. Tirar a cutícula em excesso.
A cutícula é a proteção das unhas e, caso seja retirada em excesso, elas ficam expostas a agentes químicos e biológicos, como os fungos, podendo aparecer infecções ou inflamações.
6. Ficar com sapatos fechados por muito tempo.
“O pé fica úmido e vira o habitat ideal para os fungos”.
7. Tentar eliminar a micose com receitas caseiras.
Às vezes a gente prefere apelar para receitas “milagrosas” feitas em casa, mas de nada adianta. Prefira remédios confiáveis que matam os fungos causadores da micose logo no aparecimento da infecção. Atualmente, há tratamentos eficazes e simples, como um esmalte terapêutico que deve ser aplicado uma vez por semana.
8. Usar aparelhos não esterilizados para fazer as unhas.
Não prestar a atenção se os aparelhos estão esterilizados no salão de beleza ou até mesmo emprestar seu kit manicure para outras pessoas pode abrir portas para micoses e hepatite C. “É perigoso porque você não sabe se a pessoa que usou antes tinha alguma doença, principalmente se está com a cutícula ferida”.

 

Fonte: Revista Marie Claire